Publicações







Acesse o documento completo VII – Nº 32 – Janeiro / Fevereiro de 2016 VII – Nº 33 – Julho/Agosto de 2016 VII – Nº34 – Novembro/Dezembro de 2016    

Navegando a notícia – ano 7 – 2016


Acesse os documentos completos Ano VI – nº 31 Novembro / Dezembro de 2015 Ano VI – nº 30 Julho / Agosto de 2015 Ano VI – nº 29 Abril / Maio de 2015 Ano VI – nº 28 Janeiro / Fevereiro de 2015 

Navegando a notícia – ano 6 – 2015



Acesse os documentos completos Ano V – nº 27 Junho / Julho / Agosto de 2014 Ano V – nº 26 Março / Abril / Maio de 2014 Ano V – nº 25 Janeiro / Fevereiro de 2014

Navegando a notícia – ano 5 – 2014


Acesse os documentos completos Ano V – nº 24 Novembro / Dezembro 2013 Ano V – nº 23 Setembro / Outubro 2013 Ano V – nº 22 Julho / Agosto 2013 Ano V – nº 21 Maio / Junho 201 Ano V – nº 20 Março / Abril 2013 Ano IV – nº 19 Janeiro / Fevereiro 2013

Navegando a notícia – ano 5 – 2013


Acesse os documentos completos Ano IV – nº 18 Novembro / Dezembro 2012 Ano IV – nº 17 Setembro / Outubro 2012 Ano IV – nº 16 Maio / Junho 2012 Ano IV – nº 15 Março / Abril 2012 Ano IV – nº 14 Janeiro / Fevereiro 2012  

Navegando a notícia – ano 4 – 2012



Acesse os documentos completos Ano III – nº 13 Novembro / Dezembro 2011 Ano III – nº 12 Setembro / Outubro 2011 Ano III – nº 11 Julho / Agosto 2011 Ano III – nº 10 Maio / Junho 2011 Ano III – nº 09 Março / Abril 2011 Ano III – nº 08 Janeiro / Fevereiro 2011  

Navegando a notícia – ano 3 – 2011


Acesse os documentos completos Ano II – nº 07 Outubro / Novembro 2010 Ano II – nº 06 Maio / Junho 2010 Ano II – nº 05 Fevereiro / Março 2010  

Navegando a notícia – ano 2 – 2010


Acesse os documentos completos Ano I – nº 04 Novembro / Dezembro 2009 Ano I – nº 03 Agosto / Setembro 2009 Ano I – nº 02 Maio / Junho 2009 Ano I – nº 01 Fevereiro / Março 2009  

Navegando a notícia – ano 1 – 2009












































































































































































































































Trecho extraído do livro “Transporte no Brasil: história e reflexões”, editado pela Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (GEIPOT), sob a coordenação de Oswaldo Lima Neto. Para obter o livro ou consultá-lo Fale conosco Ao longo do Período Imperial, especialmente nas quatro décadas que antecederam a Proclamação da República, o transporte hidroviário no Brasil experimentou significativo avanço no sentido de sua modernização tecnológica e institucional. Nos idos de 1880, já quase se completara a transformação da frota mercante para a propulsão a vapor e as repartições públicas como capitanias dos portos, repartições de faróis e hidrográficas eram atuantes. Por fim, […]

Transporte hidroviário na 1ª república


As metas previstas no Plano de Ação Econômica do Governo-PAEG, de 1964 a 1966, para este subsetor foram as seguintes: a) recuperação, reequipamento, desburocratização e melhoria da produtividade dos Portos; b) reestruturação da disciplina portuária e redução da burocracia existente no trânsito e no desembaraço das mercadorias; c) modificação dos sistemas de operação portuária, visando o aumento da produtividade e a minimização dos custos operacionais. A Lei n° 4.213, de 14 de fevereiro de 1963, transformou o antigo Departamento Nacional de Portos, Rios e Canais em Autarquia Federal e alterou seu nome para Departamento Nacional de Portos e Vias Navegáveis […]

Portos no regime militar



Trecho extraído do livro “Transporte no Brasil: história e reflexões”, editado pela Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (GEIPOT), sob a coordenação de Oswaldo Lima Neto. Para obter o livro ou consultá-lo Fale conosco Neste período, foi produzido o já mencionado Plano da Comissão Mista Brasil – Estados Unidos, o qual continha, na parte portuária, um programa que priorizava a racionalização dos processos de operação das instalações portuárias, assim como o aumento da capacidade de armazenagem e de manipulação de cargas. Os pontos principais do programa contemplavam: a) expansão e reequipamento das instalações; b) racionalização da operação; e c) obras […]

Portos no Governo Vargas (1951-1955)


Trecho extraído do livro “Transporte no Brasil: história e reflexões” (p. 281), editado pela Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (GEIPOT), sob a coordenação de Oswaldo Lima Neto. Para obter o livro ou consultá-lo Fale conosco Sob a égide do Programa de Metas, o subsetor portuário foi finalmente contemplado com uma série de projetos, elaborados ainda pela Comissão Mista, entre os anos de 1950-1951. O Programa priorizava o reaparelhamento e o reequipamento dos Portos, juntamente com sua expansão e dragagem. Os projetos, revistos e atualizados, compuseram um plano de ação imediata. Em 10 de julho de 1958, com a Lei n° 3.421, criou-se […]

Portos no Governo JK


Governos Jânio-Goulart (1961-1963) No triênio, 1963-1965, o setor de portos e navegação foi objeto de uma nova concepção com a elaboração e a aprovação do Plano Trienal de Desenvolvimento Econômico e Social que tratava portos e navios como unidades de operação. Neste contexto, coube ao Governo promover a melhoria da produtividade dos portos, através da alocação de recursos, de acordo com as características da frota mercante brasileira (Barat, 1974). Na realidade, pouco foi realizado durante o triênio. Os conflitos políticos, sobretudo em torno do pessoal de estiva e capatazia, conturbaram sobremaneira a área portuária em todos os portos organizados do […]

Portos no governo Jânio – Goulart (1961-1963)



Trecho extraído do livro “Transporte no Brasil: história e reflexões” (página 279) editado pela Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (GEIPOT), sob a coordenação de Oswaldo Lima Neto. Para obter o livro ou consultá-lo Fale conosco Os graves problemas que afetaram a Marinha Mercante brasileira durante a Segunda Guerra Mundial decorreram, de um lado, da impraticabilidade da importação de equipamentos e peças de reposição e, de outro, da insegurança das condições de navegabilidade durante o conflito. Eles tiveram reflexo imediato na situação dos Portos do País e sofreram igualmente com os entraves à importação de equipamentos e peças, não podendo levar adiante […]

Portos no governo Dutra (1946-1950)


Pequeno trecho extraído do livro Portos e Desenvolvimento, de Marcos Maia Porto. O autor é Gerente de Meio Ambiente, na Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Onde Comprar? Editora Aduaneiras A navegação no final do século XV já estava bastante difundida ao longo do Velho Continente Europeu, tanto para o comércio como fins militares. É elucidativo o relato de Paul Kennedy sobre o marítimo. Alguns historiadores afirmam que os navios de comércio chegavam a medir 120m de comprimento e ter capacidade para 1.500 toneladas. Contudo, aqueles navios não ultrapassavam as 300 toneladas em média. Naquela época, era substancial o comércio de granéis […]

O poder econômico da navegação


Trecho extraído do livro “Transporte no Brasil: história e reflexões”, editado pela Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (GEIPOT), sob a coordenação de Oswaldo Lima Neto. Governo Castelo Branco (1964-1967) Para o período inicial, o PAEG, entre 1964 a 1966, estabeleceu as seguintes metas para a navegação nacional de longo curso, de cabotagem, a navegação fluvial e a construção e reparos navais: recuperação da frota mercante, na medida em que os portos se modernizassem; revisão da legislação, do pessoal marítimo portuário e de construção naval, buscando maior produtividade; e estímulo à iniciativa privada, permitindo o agrupamento das microempresas e propiciando […]

Navegação no regime militar



Trecho extraído do livro “Transporte no Brasil: história e reflexões”, editado pela Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (GEIPOT), sob a coordenação de Oswaldo Lima Neto. A situação da navegação no País, no início da década de trinta do século XX, não era melhor do que a das ferrovias. A maior companhia de marinha mercante, o Lloyd Brasileiro, estava bastante deteriorada tanto em termos da sua frota, quanto em termos administrativos. Os portos apresentavam problemas devido ao assoreamento, à falta de área de cais e de equipamentos de movimentação de cargas. Apenas Santos e Manaus apresentavam boas condições operacionais. Em […]

Navegação na era Vargas














Ano 2016 – 2017 PDTI – Plano Diretor de Tecnologia de Informação Relatório de Gestão de TI 2014-2015 Ano 2014 – 2015 PDTI – Plano Diretor de Tecnologia de Informação Relatório de Gestão de TI 2012-2013 Ano 2012 – 2013 PDTI – Plano Diretor de Tecnologia de Informação

Plano Diretor de Tecnologia de Informação (PDTI)






A Política de Segurança da Informação da ANTAQ tem suas diretrizes básicas estabelecidas pela Norma editada pela Resolução nº 2.539-ANTAQ, de 02/07/2012. A Política trata também de adequações à Lei de Acesso à Informação, instruções sobre sigilo e comportamento seguro e a instituição do Termo de Responsabilidade a ser assinado por todos os colaboradores, o que irá instrumentalizar a agência para garantir disponibilidade, integridade, confidencialidade e autenticidade da informação produzida e tratada. A ANTAQ atuará em conformidade com os procedimentos estabelecidos na referida norma, observando os princípios da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da publicidade, da eficiência, da finalidade, do […]

Políticas de Segurança da Informação da ANTAQ








Subsídios Técnicos para Identificação de Áreas Destinadas à Instalação de Portos Organizados ou Autorização de Terminais de Uso Privativo em Apoio ao Plano Geral de Outorgas Revisão e Ajustes da Base de Dados Georreferenciada – Relatório Final Relatório Final – TOMO 1 TOMO 2 – Anexos Abr. 2009 – Fernando Antonio Brito Fialho – Diretor-Geral da ANTAQ Entrega PGO a SEP Abr. 2009 – Saul Germano Rabello Quadros – Coordenador Técnico – CENTRAN Subsídios Técnicos ao Plano Geral de Outorgas

Plano Geral de Outorgas (PGO)






“Caracterização da Oferta da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Região Amazônica” – Prof. Hito Braga de Moraes – Universidade Federal do Pará “Caracterização da Oferta e da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Região Amazônica” – Relatório Executivo Transporte Fluvial de Passageiros na Amazônia – Livro

Estudo sobre Transporte Fluvial de Passageiros na Amazônia




Sumário Executivo Relatório 1 Parte I – Modelos da Estrutura do Setor Portuário no Mundo e no Brasil, referencial Teórico e Metodologias para Estudo da Concorrência Interportos e Intraportos no Brasil Parte II – Descrição do Referencial Teórico Utilizado e a Metodologia Adotada Relatório 2 – Principais Cadeias Produtivas dos Serviços Portuários e Análise de Cenários Macroeconômicos referentes ao Crescimento da Economia Nacional e Mundial Relatório 3 – Identificação dos Principais Mercados Existentes no Setor Portuário Relatório 4 – Análise da Estrutura e do Padrão de Concorrência em Mercados Portuários, Escala Eficiente e Barreiras a Entrada no Setor Portuário Brasileiro […]

Avaliação da Concorrência na Prestação de Serviços Portuários






















Acesse o documento completo Canal do Panamá: efeitos da expansão nos portos do Brasil Autores: Fernando Antonio Correia Serra, José Gonçalves Moreira Neto e Michel Bittencourt Weber Canal do Panamá está em obras para ampliação de sua capacidade em atender aos fluxos do transpasse do Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico. A questão, que a princípio reduzia-se a aspectos concorrenciais entre o sistema intermodal norte americano e o uso das eclusas do Canal, com consequências restritas ao eixo Estados Unidos-leste da Ásia, ganhou  nova dinâmica dada a crescente importância dos mercados asiáticos, principalmente o chinês, no fluxo de comércio mundial com […]

Canal do Panamá: efeitos da expansão nos portos do Brasil ...



Acesse o documento completo Gestão e operação portuária: experiência em Cingapura Autor: Júlio César de Sousa Dias Este livro é fruto do curso de Gestão e Operação Portuária promovido pelo Ministério das Relações Exteriores de Cingapura por meio de seu Programa de Cooperação, o qual disponibiliza para diversos países vários cursos com o intuito de difundir o conhecimento adquirido naquele país, bem como aperfeiçoar as interações de negócio do comércio exterior, propiciando um ambiente mundialmente favorável. Esse Programa baseia-se no antigo ditado chinês: “Dê a um homem um peixe, você o alimentará por um dia. Ensine um homem a pescar […]

Gestão e operação portuária: experiência em Cingapura – Júlio César ...


Acesse o documento completo Fontes de informação em transporte aquaviário Autor: José Antonio Machado do Nascimento A Agência Nacional de Transportes Aquaviários sempre se preocupou em buscar referências para gerar oportunidades de desenvolvimento profissional, promovendo a constante evolução intelectual dos especialistas em regulação. Em consonância com esse compromisso, apresenta um índice remissivo, fruto de uma intensa pesquisa que analisou e indexou todos os assuntos tratados nas palestras da Diretoria-Geral dos anos de 2006 à 2011. Em plena era de discussões sobre marcos regulatórios, as análises documentárias permitem verificar se temas relevantes estão sendo tratados com a devida complexidade. Nesse contexto […]

Fontes de informação em transporte aquaviário – José Antonio Machado ...


Acesse o documento completo The role of the brazilian ports in the improvement of the National Ballast Water Program Autor: Uirá Cavalcante Oliveira Ballast water is the water used by ships for obtaining draft, trim, or stability; and usually it is taken and discharged into port areas during operations of unloading and loading cargoes. Ballast water has been identified as the main vector for the introduction of alien and harmful organisms into coastal zone waters, from which can originate ecological, social and economic impacts. In response to this problem, the International Maritime Organization has adopted the “International Convention for the […]

The role of the brazilian ports in the improvement of ...























Trecho extraído do livro “Transporte no Brasil: história e reflexões”, editado pela Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (GEIPOT), sob a coordenação de Oswaldo Lima Neto. Para obter o livro ou consultá-lo Fale conosco Ao longo do Período Imperial, especialmente nas quatro décadas que antecederam a Proclamação da República, o transporte hidroviário no Brasil experimentou significativo avanço no sentido de sua modernização tecnológica e institucional. Nos idos de 1880, já quase se completara a transformação da frota mercante para a propulsão a vapor e as repartições públicas como capitanias dos portos, repartições de faróis e hidrográficas eram atuantes. Por fim, […]

Transporte Hidroviário no Brasil e o Primeiro Plano Integrado de ...


Trecho extraído do livro “Transporte no Brasil: história e reflexões”, editado pela Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (GEIPOT), sob a coordenação de Oswaldo Lima Neto. Para obter o livro ou consultá-lo Fale conosco A situação da navegação no País, no início da década de trinta do século XX, não era melhor do que a das ferrovias. A maior companhia de marinha mercante, o Lloyd Brasileiro, estava bastante deteriorada tanto em termos da sua frota, quanto em termos administrativos. Os portos apresentavam problemas devido ao assoreamento, à falta de área de cais e de equipamentos de movimentação de cargas. Apenas […]

Navegação na era Vargas e no Regime Militar


Trecho extraído do livro “Transporte no Brasil: história e reflexões” (página 279) editado pela Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (GEIPOT), sob a coordenação de Oswaldo Lima Neto. Para obter o livro ou consultá-lo Fale conosco Os graves problemas que afetaram a Marinha Mercante brasileira durante a Segunda Guerra Mundial decorreram, de um lado, da impraticabilidade da importação de equipamentos e peças de reposição e, de outro, da insegurança das condições de navegabilidade durante o conflito. Eles tiveram reflexo imediato na situação dos Portos do País e sofreram igualmente com os entraves à importação de equipamentos e peças, não podendo levar adiante […]

Portos brasileiros: do governo Dutra ao regime militar



O transporte aquaviário no Primeiro Plano Integrado de Transportes Trecho extraído do livro “Transporte no Brasil: história e reflexões”, páginas 276 – 278, editado pela Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (GEIPOT), sob a coordenação de Oswaldo Lima Neto. Para obter o livro ou consultá-lo Fale conosco Apesar dos grandes avanços nos transportes terrestres, o País mantinha ainda várias regiões dependentes do transporte hidroviário. A Comissão Brasil – ­Estados Unidos concluiu que: a) oito Estados, seis do Norte e dois do Sul, tinham entre 74 a 99% de seu comércio interestadual dependentes de cabotagem; b) a ligação comercial, entre os […]

Transporte hidroviário entre 1945 e 1964